quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Segundos Nus


Hoje encotrei Diogo. Não sei se era assim que ele se chamava, mas me senti Rosa Ambrosio com novos propositos de vida.


entrei com um aperto no peito. Fui cambaleando com lágrimas nos olhos, sentei desmanchada.

um misto de sentimento, uma saudade sem tempo, um medo da sensibilidade de ações futuras. Uns pensamentos que viajam entre passado, presente e dúvida. A certeza de que agora somos só nós: eu e eu.

E Diogo ali. Pouco atras de mim, me olhando. Eu não sabia.


As lágrimas. Não conseguia controlar. Pensava em cessar, elas desciam suave.

Os pensamentos ainda em mim. A tentativa frenetica em se acomodar com a ideia de 'normalidade', mas acomodada eu não consigo ser. E aqueles pensamentos me ferem. Não posso mudar. "é a vida" - parece que ouvia alguem antigo dizer.


E no impulso de tentar controlar, pelo menos por fora, as lágrimas..percebi ele ali...me olhando atento, uma ruga na testa, parado, analítico, puro, preocupado, bonito. A boca se abre trêmula. Vai dizer algo. Me viro rápido na vergonha de me mostrar tão nua. Cara Lavada. Unhas vermelhas.


Controlo.

Não olho.

Vergonha.

Não olhamos.


O tempo passa. o carro passa. Eu peço. Para.

Vou embora. Ele me olha. Não fala nada.


Sou outra. Talvez pro desapontamento de Diogo, Essa Rosa não chora por seu amor.

5 comentários:

niltim disse...

escreves nuas, como segredo, como quem chora! as palavras tem conexões emotivas, imagéticas! e tudo fica muito bonito! parabéns, lindo!

edelzuite disse...

Binha, seu estilo é o mesmo de Lígia Fagundes Teles. Tá muito bom o texto. Coninua pra ver no q vai dar...quem sabe num livro... e eu vou ficar toda besta, pq sei q esse dom litarário vem de mim... uhuhuhuhuuhuhuhuh

Isa Dora disse...

Ahhhhh, às vezes a gente se sente assim, tão nua, tão transparente, tão vulnerável, como se qquer pessoa q nos olhasse lesse a nossa alma.
Um Beijo Celis.

Patrícia disse...

E eu não quero isso! Medo de me expor? Medo de estar nua?
É...talvez!

Mas só em dizer isso uma vontade incontrolável de olhar para o futuro, ver as incertezas, invadem a consciencia...e me desnudam. É incontrolável!

E eu venho aqui leio essa palavras e me deixo emocionar. Obrigada por isso!

Larissa Santiago disse...

adoro me ver nuaaa!
me sinto bunitaa
bjo Cela