segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Dia nublado. Um cansaço de ontem. Planos de não saber a manhã. Começar pela tarde.
No meio do sonho, um toque cuidadoso...e um aviso sussurrado.

Pela claridade e calor do dia, a sensação de bem estar no mundo. De encontrando o bem estar que já se conhece. O nada de ontem preenchido pelo que tem todo dia. E a chatisse daquelas luzes de ontem com a voz anunciando o antigo como novidade. A impaciencia de mais alcool. O fogo que nao pega.

Os olhos que se entendem...não só dois, nem quatro, são incontaveis olhos. Que se olham e se vêem, mas é preciso mais detalhes. Coisa que se vê com a mão, o nariz...
Na lonjura daquele horizonte, novos corpos que não se encaixam, mas se unem e se amam por fora. E o sol demora mais pra se por, todos juntos...quentes.

Simples. quando tudo escurece, todos dão as mãos...e nada pára. Os mesmo enchem os copos...e os mesmos bebem.

5 comentários:

Cafeína disse...

é sempre mais do mesmo... (celina to quase fazendo um prêmio só pra ti, afinal vc merece rs)
bjo

niltim disse...

é sempre assim... nunca é igual!

Larissa Santiago disse...

eu tenho é medo dos mesmoss!
bju Xuris

Shade disse...

tenho uma proposta (in)decente pra vc..


uhauhauhauah

K. disse...

eu também Mozinha...rs.. tenho uma proposta indecente pra vc

rs
rs
rs