segunda-feira, 31 de março de 2008


Tempo incerto. Ora chuva, ora sol, na mesma hora...

O plano que ao longo da semana foi refeito, repensado, reanalisado, reprogramado e haja "mudanças de planos".

Entre um cigarro, uma coca e várias balinhas, numa ansiedade louca.


"tá tudo bem. Muito bem"


Parar o carro na orla, não conseguir acender o cigarro em frente ao mar. O medo da onda apagar seu fogo. Na verdade supõe que não ouvirá o barulho apagado, abafado pela grande zuada da onda fraca na praia pura.


Nem o sol ajuda. Agora, a chuva atrapalha. Duvida se gosta mais do navio no mar, ou do carro no continente. Com os olhos fechados não consegue responder. Quando os abre na escuridão da noite que esconde o mar na praia ainda pura, joga as balas para Iemanjá. Volta pro carro, afinal, tempo incerto demais...


ora chuva, ora nada, ainda na mesma hora.

6 comentários:

Pat disse...

Tenho eu pensado na distância entre o tempo das sensações e o tempo do relógio...as vezes é tão distante.

Os meus desejos também tem mudado numa velocidade que foge do sentido tempo-espaço.
Isso é um encontro ou desencontro?

=D

Marcelo Mendonça disse...

incertezas

jorginho da hora disse...

Interessante, as vezes duvidas pequenas nos levam à conclusôes magicas.

Larissa Santiago disse...

meu Deus, balinhas me lembram sete bello!
não??
bjuuteadoro

Si disse...

Fez-me lembrar uma frase do John Lenon "Vida é aquilo que lhe acontece quando você está ocupada fazendo planos".
Mesmo com a incerteza dominando-a, seu dia pareceu rico.

Beijos, moça (com gostinho de bala de café).

Anônimo disse...

necessario verificar:)