quarta-feira, 14 de maio de 2008

Como faz várias vezes.
Embaixo de chuva procura a chave da casa. Sente o frio das gotas na pele. Sorri com o palavrão que vem à boca. Tenta olhar para o céu. Quer ver daquele ângulo a gota de água. Se pensa criança ao confabular de onde vem a chuva.
E entra
dizendo que preferes ser criança "criança toma chuva como gente grande, mas se seca e volta a ser o que é", fantasia real sem dor.
A revista molhada na mesa, os sapatos ainda nos pés, o café na boca. Os olhos no que eles mostram.
Limpos, secos e satisfeitos.
Outro café na boca, que beija a boca de um, que beija a testa de outro e se encosta no pêlo de mais um.

Barba feita, mas pergunta do projeto.
Meias nos pés, mas pergunta da tarefa.
Fora do sofá, mas confere a tigela de água.

Saboreia a felicidade um pouco a cada dia.

Xícara na mesa, bolsa na cama, sapatos no tapete. Cabelo lavado com muita espuma. Quente, em casa. Esquece a mesa não posta. Esquece as letras. O computador ligado. A luz acesa. Pede bobagens por telefone e decide que é dia de dormir tarde, do peludo dormir no sofá.

Como faz várias vezes.

5 comentários:

Rodrigo Carreiro disse...

Dias assim são tão bons...
E não há nada melhor que tomar chuva sem medo ;p

avessodoavesso disse...

dpois bota as pernas pra cima sentado no sofá dando audiência para a solidão
hummmmmmmmm


>>

Larissa disse...

ahh, só da vontade de tomar café e com a coberta assistir um filme velho na TV!
[vc tomando café em negaa]

Isa Mozzer disse...

Nada como um bom café pra aquecer quando a gnte chega em casa nesses dias tão frios.

PatSodré disse...

"Eu só quero (prefiro) chocolate..."

Nesses dias de chuva, em que a água rola escada abaixo, prefiro desmarcar a análise e dividir o mesmo sofá com alguém de pés quentes!

A trilha sonora é eletrônica e a ordem é: Corra Lola, corra!