segunda-feira, 12 de maio de 2008

Me olha, fica na dúvida, sorri preocupada e diz:
- Eu não consigo ouvir o anjo, mas você, é a perfeita diabona aqui no meu lado.
Acelera.

E a tarde não está nem começando.

Entre pneus, paralelepipados, latinhas... poeira, risada e perigo. Um beijo. Vários copos.


Um presente novo, para duas antigas. Aquele antigo espaço no recôncavo, desleixado, desfeito.
De momentos inesqueciveis em tempos passados. Num dia, a memoria, o encontro e a redescoberta do que passou, e não vem metade, nao vem igual.

Centimetros crescidos, cabelos pintados, novos metais.

Outros encontros, outras antigas, outras lembranças. Aquele beijo, aquele bicho. O céu ainda azul, e a água não pára. É colorida.

De cada canto uma comemoração de nossas vidas, de nosso sorriso, de nossa falta de lucidez.

Na promessa desafiadora da noite, uma voz do outro lado. Um convite conhecido e tentador. O brilho muda de lado.

Mais uma vez me olha, fica na duvida, sorri preocupada e diz:
- E quem pode com uma diaba dessa?

6 comentários:

Larissa Santiago disse...

ninguém pode com essa diaba!
:P

Si disse...

Pode vir tudo, mas se vier um beijo apaixonado, o resto fica irrelevante. Hehehe

Além de intensa, é diaba?

Beijos.

Rodrigo Carreiro disse...

Não sei porquem, mas ao ler o texto de uma puta vontade de tomar cerveja num boteco de tarde.
Beleza!
;p

PatSodré disse...

Vários comentários a serem feitos!
:P

1ª - Diaba só boa!!!

2ª - Eu conheço esse lugar distante que sempre (e sempre inesperado) causa momentos de intenso prazer!!

3ª - Tô ligada na imagem desse carro...só faltava a quadra velha descascando no fundo, mas o pôr-do-sol, compoôs a imagem perfeitamente.

E tenho falo... (rs)

Isa Mozzer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Isa Mozzer disse...

E a Celis se diverte...