sexta-feira, 12 de dezembro de 2008



Entre os copos e as pernas. Nosso encontro do passado. Seu olhar de meio desejo. Meu medo de te ter pra sempre. Nossa vontade entre filas e bandejas. Sua boca mostra o meu caminho. Onde sento, você não abre o cardápio. Agora.

Houveram noites em que você quis. Dias em que minha boca completava seus olhos. Juntas.
Não me culpo por derrubar nossa bandeja. Não te culpo por me empurrar além do que meu corpo ia.

Nosso combinado ultrapassou a validade. Não houve palavra que honrasse um trato feito com os desejos. Nao te dei minha alma porque nao te servia. Mas fico agradecida pelo meu presente.
Te deixo reservado uma parte de mim. A que você menos desejou, mas a unica que você precisa. Que eu nao uso mais.

fotos de MoFlickr

23 comentários:

Olavo disse...

Oi querida obrigado pela força..tem selo para vc lá no blog
Beijão
Olavo

Anônimo disse...

Celine eu acho que o texto merecia comentários menos bobos. Você escreveu um texto muito bom.
O que não combina legal é você ficar contagiada e fazer o mesmo tipo de comentário nos blogs alheios. Parece um canguru saltitante falando em portoaustraliano: "lindonda lindona lindona lindona"
O que fazer?
E +, será que dá pra mudar o vermelho do blog? É tão breguinha - além de muito cansatico- e não combina com o rosa do seu scarf, gata!

Olavo, fui lá no sue blog e vi tanta besteira. Que amor incondicional é esse que você tem por gente que nunca viu na vida? flores para lá, beijos melados para cá...quanta babaquice, meu deus.Você completou 12 anos ou ainda vai completar?

Celine disse...

Oww
que mmega comentário. Pensei que seria tudo sobre meu texto. rs.
Mas, obrigada pela dica, o vermelho tava mesmo cansado. Já mudei.
E os comentários, eu gosto de todos.
beijos

Anônimo disse...

Oi estimada, Celine, com frequência, visito o seu espaço para ler os seus textos. Tenho grande apreço pelo seu estilo e simpatia pela brevidade que usas para dizer muita coisa. Acompanhando a sua escrita percebo que tens melhorado bastante. Para mim, como lucro da sua prática – escrita é prática consistente, exercício, constância –, a sua arte manifesta-se mais interessante, mais madura, mais elaborada. Consequentemente, mais bela.
Não quis ofende-la e peço desculpa se assim lhe pareceu. O que me exaspera são os comentários bobos, deixados por pessoas que obviamente não lêm os textos. Vêm aqui só para largar beijinhos, selinhos e falar besteirinhas – O Orkut não serve essa função? Você gosta disso. Maravilha sem comentários.
Eu acho que empobrece a seriedade do seu trabalho e apaga o tesão de expressar um comentário que diga respeito ao que você escreveu. Posso estar errado, inconvenientemente intolerante ou indevidamente descortês. De uma coisa estou certo, você tem escrito bem.
Parabéns.

Obrigado por ter mudado a cor do blog. Cansava meu olho - só tenho um. Muitas vezes preferi copiar e colar o texto em uma página branca do words para poder te ler melhor. Não sou lobo-mau, não sou mau. Talvez um bobão que entende de bobagens. Perdão, querida. Acho que fui infeliz no meu comentário anterior. Não é raro esquecer-me de que a juventude está impregnada de bobagens. Estas, presentes aqui, são saudáveis. Não há nada de esquisito ou adoentado nos comentários. Como também não há nada de primoroso, elegante ou excêntrico.

Boas festas, Celine.

Celine disse...

=]

Não me ofendeu, não. Acho que acabei me estendendo alem do que me dizia respeito. Achei seus comentários por aí a fora, sobre os comentários alheios, um tanto rude, talvez agressivo. O que comento e o que posto são bobagens da juventude em que vivo. Bobagens de minhas percepções. E eu tenho consciencia do que sou.
Talvez devesse ficar calada, quando nao tiver palavras rebuscadas pra expressar a minha admiração diante dos textos que leio.

Não se desculpe, não. Muito obrigada, vc me atentou pra algo que eu ainda não havia percebido. Reconheço.

Boas festas.

Anônimo disse...

Celine, Celine você achou meus comentários por aí a fora??? Só comentei aqui e lá no blog da escritora que você pulou como um canguru saltitante.
Reconheço que foram grosseiros e indelicados. Poderia ter escolhido outras palvavras para expressar a minha indignação. Reitero o que escrevi no comentário posterior;
Posso estar errado, inconvenientemente intolerante ou indevidamente descortês.De uma coisa estou certo, você tem escrito bem.

Não acho que você fale bobagens.

Aqui encerro o anonimato.Não irei mais importuna-la com a minha falta de paciência e inúmeras banalidades.

Larissa Santiago disse...

"te deixo reservado uma parte de...
ALMA!
beijo te amo!

Flávia disse...

Posso roubar as suas palavras, posso?

E bela, se expresse como quiser. É vc, não é? Então pronto.

Beijos :)

K. (Incompletudes) disse...

oi Môzinha...

passei pra deixar uma bitoca e saudades.

:)

Eu e a solidão disse...

Olá, senti muita falta daqui viu... e passei pra avisar que o Teu Lugar já não existe mais, (coisas do anonimato, fui descoberta, fazer o ue né!) mas como não desisto criei o Apenas sobre mim e lá continuo a desabafar quando for preciso...quando sobrar um tempinho dá uma passadinha lá pra conhecer meu novo cantinho...

Sem palavras pra comentar seu texto, apenas digo que é lindo!!


beijos e saudades...

Rodrigo Carreiro disse...

Eu ia comentar alguma coisa, mas fiquei interessado no papo de você com esse anônimo heheh

Filhas da Pagu disse...

Ahhh Flor! Que foda!
Eu adoro esse estilo Celine de escrever. A sensualidade tratada com essa maturidade, os recortes de imagens, o sentimento real desgamuralizado (se é que existe essa palavra)... não sei, sei que é bom de ler, sei que mexe.
"Não te culpo por derrumar nossa bandeja","um trato feito com desejos", "Medo de te ter para sempre", são tantos gritos... Amei!

Filhas da Pagu disse...

"desglamuralizado" eu quis dizer...

Quanto ao resto a gente escreve sério, a gente fala bobagens, a gente tem liberdade para tratar quem quiser, como quiser, desde que mantenha o respeito. Sendo você, você é linda.

Beijos flor

Patrícia Lage disse...

Essa coisa de oferecer o que o outro recusa e, inevitavelmente, é exatamente o que este mesmo outro precisa é FODA.

Gosto dos teus textos. Continue!

Meu beijo.

Renata disse...

olá! esta é a minha primeira vez aqui..e já de cara me deparo com um texto tão legal tão bem escrito e tão irritantemente a minha cara..rs.. Foi, sem dúvida, uma grata surpresa,obrigada!

bjs

jorginho da hora disse...

Eu jamais ofereceria algo que alguem não queira mais. Mas os poetas sabém das coisas.
Ah, fiquei sabendo do encontro de blogueiros aqui em salvador SÓ DEPOIS QUE A PORRA TODA JÁ TINHA ROLADO. Gostaria de saber se vai rolar de novo e quando seria.

Patty Diphusa disse...

Aqui vai mais um comentário bobo como classifica seu amigo.

Mas seus textos resgatam tantas histórias, tantos sonhos, tantos nós atados e desatados. São muito bons e melhoram a cada dia.

É isso, sem medo de comentar.

Bjs

PatSodré disse...

Que sou fã dos seus textos já tá claro aqui. Que você tem melhorado a cada dia tbm. Que pressinto o seu sucesso enquanto autora/poetisa tá nítido.
Eu só não entendo porque só se pode assinar embaixo quando se escreve coisinhas bonitinhas. As críticas são essenciais para uma maior reflexão, uma escrita mais madura.
Assim, que venham as críticas e que a autoria delas venha junto. Não temos que nos esconder pra dizer aquilo que nem todo mundo quer ouvir. Abusemos da "liberdade de expressão"

Larissa Santiago disse...

pra reflexão!

Ric@rdo disse...

Seus textos sempre são muito envolventes.
Esse lembrou uma situação vivida por mim.

Beijos!

Olavo disse...

Que o bom velhinho traga um saco cheinho de paz,
harmonia, fraternidade
Que o gesto de ternura se estenda de várias mãos
Que ao som dos sinos
O amor exploda em toda direção!

FELIZ NATAL!
beijos

minicontosperversos disse...

Ce, contundente:

Nosso cartão de fim de ano, como era de se imaginar, está lá no blog.
Espero que você goste!
Beijo!

http://minicontosperversos.blogspot.com/

Isa Mozzer disse...

um texto que pode ser interpretado de mil formas, e que talvez, nunca se chegará a saber o que de fato ele diz.