terça-feira, 20 de setembro de 2011

doce




Me enche de doce alegria.
Uma espécie de esperança sem beleza.
Uma fonte que se esgota aqui.
Para eu cavar mais lá dentro.

E aqueles olhos mudaram.
Como pessoas diferentes.
Em uma só alegria infantil.
Que não pode durar muito.

Mas que deve seguir sem dia certo pro fim.

5 comentários:

daniayres disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
daniayres disse...

Minha poetisa!

daniayres disse...

Linda a nova roupagem. =)

Manu disse...

tudo passa
a gente tem mesmo é que aproveitar

Larissa Santiago disse...

sem dia certo pro fim, que só chega se a gente quiser