terça-feira, 15 de novembro de 2011

0, 1...

eu morro pra nascer mais velha.
época da perda em um mundo nebuloso.
é como se eu fosse cega e ninguém me visse.

eu ando num momento de rever.
mas do outro lado tudo passa num estalo violento.
é como se eu estivesse parada e empurrasse alguém.

eu deveria comemorar, porque, além de tudo,
eu ainda tenho a mim, e me entender não é difícil.
é como se eu lesse a carta e pudesse reescrever.

é como se eu recebesse a carta,
toda vez que eu chegasse de viagem.




Um comentário:

Kinha disse...

O ideal seria termos duas vidas: uma pra ensaiar e outra pra viver!